10 de out de 2008

Coração negro chora

Encontrei outro dia um negro,
Que estava a chorar.
A partir destas lágrimas,
Que comecei a pensar...
O que há naquela pele que levou à escravidão?
Será que essa cor é condenação?
O negro ainda é visto com olhar inferior que me atenta.
Concluo que é olhar de gente que não chega nem aos pés do que a cor representa.
Representa luta, conquistas, raça.
Negro é esperto, bonito, e tem olhar forte.
Tão forte que identifica a desgraça do preconceito de pessoas sem porte.
E a partir daquela lágrima, pude perceber
Que o negro ainda sofre, por isso devemos saber:
Racismo é uma coisa inútil e deve o mais rápido morrer!

de Ana Carla Campregher da Silva

6 de out de 2008

NOTA FILOSOFICA

POEMA: Sou Negro porque encaro minhas origens

Não precisa ter cor, nem raça, nem etnia.
É preciso amar
É preciso respeitar
Não sou negro porque minha pele é negra
Não sou negro porque tenho cabelo embolado de “pixain”
Não sou negro porque danço a capoeira
Não sou negro porque vivo na África
Não sou negro porque canto reggae.
Não sou negro porque tenho o candomblé como minha religião
Não sou negro porque tenho Zumbi como um dos mártires da nossa raça.
Não sou negro porque grito por liberdade
Não sou negro porque declamo Navio Negreiro
Não sou negro porque gosto das músicas de Edson Gomes, Margareth Menezes ou Cidade Negra.
Não sou negro porque venho do gueto.
Não sou negro porque defendo as idéias e Nelson Mandela
Não sou negro porque conheço os rituais afro.
Sou negro porque sou filho da natureza
Tenho o direito de ser livre.
Sou negro porque sei encarar e reconhecer as minhas origens.
Sou negro porque sou cidadão.
Porque sou gente.
Sou negro porque sou lágrimas
Sou negro porque sou água e pedra.
Sou negro porque amo e sou amado
Sou negro porque sou palco, mas também sou platéia.
Sou negro porque meu coração se aperta
Desperta,Deseja,Peleja por liberdade.
Sou negro na igualdade do ser
Para o bem à nossa nação.
Porque acredito no valor de ser livre
Porque acredito na força do meu sangue numa canção que jamais será calada.
Sou negro porque a minha energia vem do meu coração.
E a minha alma jamais se entrega não.
Sou negro porque a noite sempre virá antecedendo o alvorecer de um novo dia.
Acreditando num povo afro-descendente que ACORDA, LEVANTA E LUTA.

de Genivaldo Pereira dos Santos


Personalidades Negras:

3 de out de 2008

" Homens de Honra "






Fatos e Fotos sobre o filme Homens de Honra, aqui estão anexadas algumas fotos do verdadeiro Brashear...primeiro mergulhador profundo negro da seleta e segregacionista Marinha dos EUA, personagem de Cuba G. Jr. no filme Homens de Honra, tb com o renomado De Niro.

Como já sabem, Brashear teve a perna estilhaçada após localizar uma bomba nuclear caída no fundo do oceano durante a guerra fria. Isso após uma cena impressionante com um submarino Russo. Bem...agora vamos conhecer a história real da cena do resgate da bomba.

Janeiro de 1966, um Bombardeiro B-52 colidiu com um avião de abastecimento aéreo durante a óbvia manobra de "compreta ai!". Esta colisão obviamente os aviões caíram e 4 bombas nucleares foram perdidas no mar, três rapidamente foram encontradas. Uma ficou perdida a cerca 245m no fundo do mar!!! Houve um rebouliço internacional e o Navio Hoist, qual Brashear fazia parte da tripulação, foi um dos enviados a busca da bomba, 2 meses depois do acidente aéreo. Em 23 de Marco de 1966 aconteceu a tragédia de Brashear. Diferente do filme ele não mergulhou para pegar a bomba. O encarregado de trazer a bomba ao Hoist foi um CURV (Cable Controlled Underwater Recovery Vehicle, ou Veículo de Recuperação Subaqüática Controlada por Cabo). Diversas manobras foram executadas para prender a bomba ao CURV. O pára-quedas* da bomba ainda estava preso a bomba complicando MUITO a recuperação dela. (*quando a bomba e solta do avião ela cai com um pára-quedas para que a explosão aconteça antes de haver contato com o solo, assim a destruição e maior (onde este mundo vai parar). Finalmente presa aos cabos que a trariam à superfície, a bomba lentamente foi içada a superfície, porem a bomba escapuliu quando um dos cabos estourou. Muitos canos romperam no convés do Hoist, a amarração do Hoist escapou e ele colidiu com um barco que participava da resgate. O resultado foi que diversos estilhacos desta colisao "comeram solto" no convés do Navio. Um destes vôo na direção da perna esquerda, bem abaixo do joelho de nosso Herói Brashear. Brashear ainda ficou no limite entre vida e morte por 6 horas, tempo que levou para chegar ao hospital militar mais próximo!

12 de set de 2008

zumbi dos palmares.

QUANDO TUDO ACONTECEU...

Em 1600: Negros fugidos ao trabalho escravo nos engenhos de açúcar de Pernambuco, fundam na serra da Barriga o quilombo de Palmares; a população não pára de aumentar, chegarão a ser 30 mil; para os escravos, Palmares é a Terra da Promissão. - Em 1630: Os holandeses invadem o Nordeste brasileiro. - Em 1644: Tal como antes falharam os portugueses, os holandeses falham a tentativa de aniquilar o quilombo de Palmares. - Em 1654: Os portugueses expulsam os holandeses do Nordeste brasileiro. - Em 1655: Nasce Zumbi, num dos mocambos de Palmares - Em 1662 (?): Criança ainda, Zumbi é aprisionado por soldados e dado ao padre António Melo; será baptizado com o nome de Francisco, irá ajudar à missa e estudar português e latim. - Em 1670: Zumbi foge, regressa a Palmares. - Em 1675: Na luta contra os soldados portugueses comandados pelo Sargento-mor Manuel Lopes, Zumbi revela-se grande guerreiro e organizador militar. - Em 1678: A Pedro de Almeida, Governador da capitania de Pernambuco, mais interessa a submissão do que a destruição de Palmares; ao chefe Ganga Zumba propõe a paz e a alforria para todos os quilombolas; Ganga Zumba aceita; Zumbi é contra, não admite que uns negros sejam libertos e outros continuem escravos. - Em 1680: Zumbi impera em Palmares e comanda a resistência contra as tropas portuguesas. - Em 1694: Apoiados pela artilharia, Domingos Jorge Velho e Vieira de Mello comandam o ataque final contra a Cerca do Macaco, principal mocambo de Palmares; embora ferido, Zumbi consegue fugir. - Em 1695, 20 de Novembro: Denunciado por um antigo companheiro, Zumbi é localizado, preso e degolado.
Zumbi dos Palmares nasceu no estado de Alagoas no ano de 1655. Foi um dos principais representantes da resistência negra à escravidão na época do Brasil Colonial. Foi líder do Quilombo dos Palmares, comunidade livre formada por escravos fugitivos das fazendas. O Quilombo dos Palmares estava localizado na região da Serra da Barriga, que, atualmente, faz parte do município de União dos Palmares (Alagoas). Na época em que Zumbi era líder, o Quilombo dos Palmares alcançou uma população de aproximadamente trinta mil habitantes. Nos quilombos, os negros viviam livres, de acordo com sua cultura, produzindo tudo o que precisavam para viver..

Zumbi, símbolo da resistência negra ...


Vinte de novembro é o Dia Nacional da Consciência Negra. A data - transformada em Dia Nacional da Consciência Negra pelo Movimento Negro Unificado em 1978 - não foi escolhida ao acaso, e sim como homenagem a Zumbi, líder máximo do Quilombo de Palmares e símbolo da resistência negra, assassinado em 20 de novembro de 1695.
O Quilombo dos Palmares foi fundado no ano de 1597, por cerca de 40 escravos foragidos de um engenho situado em terras pernambucanas. Em pouco tempo, a organização dos fundadores fez com que o quilombo se tornasse uma verdadeira cidade. Os negros que escapavam da lida e dos ferros não pensavam duas vezes: o destino era o tal quilombo cheio de palmeiras.
Com a chegada de mais e mais pessoas, inclusive índios e brancos foragidos, formaram-se os mocambos, que funcionavam como vilas. O mocambo do macaco, localizado na Serra da Barriga, era a sede administrativa do povo quilombola. Um negro chamado Ganga Zumba foi o primeiro rei do Quilombo dos Palmares.
Alguns anos após a sua fundação,o Quilombo dos Palmares foi invadido por uma expedição bandeirante. Muitos habitantes, inclusive crianças, foram degolados. Um recém-nascido foi levado pelos invasores e entregue como presente a Antônio Melo, um padre da vila de Recife.
O menino, batizado pelo padre com o nome de Francisco, foi criado e educado pelo religioso, que lhe ensinou a ler e escrever, além de lhe dar noções de latim, e o iniciar no estudo da Bíblia. Aos 12 anos o menino era coroinha. Entretanto, a população local não aprovava a atitude do pároco, que criava o negrinho como filho, e não como servo.
Apesar do carinho que sentia pelo seu pai adotivo, Francisco não se conformava em ser tratado de forma diferente por causa de sua cor. E sofria muito vendo seus irmãos de raça sendo humilhados e mortos nos engenhos e praças públicas. Por isso, quando completou 15 anos, o franzino Francisco fugiu e foi em busca do seu lugar de origem, o Quilombo dos Palmares.
Após caminhar cerca de 132 quilômetros, o garoto chegou à Serra da Barriga. Como era de costume nos quilombos, recebeu uma família e um novo nome. Agora, Francisco era Zumbi. Com os conhecimentos repassados pelo padre, Zumbi logo superou seus irmãos em inteligência e coragem. Aos 17 anos tornou-se general de armas do quilombo, uma espécie de ministro de guerra nos dias de hoje.
Com a queda do rei Ganga Zumba, morto após acreditar num pacto de paz com os senhores de engenho, Zumbi assumiu o posto de rei e levou a luta pela liberdade até o final de seus dias. Com o extermínio do Quilombo dos Palmares pela expedição comandada pelo bandeirante Domingos Jorge Velho, em 1694, Zumbi fugiu junto a outros sobreviventes do massacre para a Serra de Dois Irmãos, então terra de Pernambuco.
Contudo, em 20 de novembro de 1695 Zumbi foi traído por um de seus principais comandantes, Antônio Soares, que trocou sua liberdade pela revelação do esconderijo. Zumbi foi então torturado e capturado. Jorge Velho matou o rei Zumbi e o decapitou, levando sua cabeça até a praça do Carmo, na cidade de Recife, onde ficou exposta por anos seguidos até sua completa decomposição.
“Deus da Guerra”, “Fantasma Imortal” ou “Morto Vivo”. Seja qual for a tradução correta do nome Zumbi, o seu significado para a história do Brasil e para o movimento negro é praticamente unânime: Zumbi dos Palmares é o maior ícone da resistência negra ao escravismo e de sua luta por liberdade. Os anos foram passando, mas o sonho de Zumbi permanece e sua história é contada com orgulho pelos habitantes da região onde o negro-rei pregou a liberdade.

5 de set de 2008

O QUILOMBO DE CARUKANGO



Poucas pessoas sabem, mas em Macaé existiu um Quilombo quase tão importante quanto ao Quilombo dos Palmares.

O QUILOMBO DE
CARUKANGO


Os quilombos eram, na própria definição dos senhores da época da escravidão, redutos de negros fugitivos, que se escondiam em áreas afastadas e de pouco acesso, e viviam de modo a subexistirem. No entanto, nos quilombos, também se aglomeravam negros alforriados e livres, além de indígenas, de modo que é mais correto dizer que constituiam espaços de resistência e afirmação de culturas marginalizadas pela sociedade escravista brasileira. Isto é confirmado com a constatação da existência até hoje das chamadas terras de preto, comunidades negras remanescentes de quilombos, espalhadas por todo o Brasil. Estas comunidades resistiram provavelmente por não oferecerem maiores ameaças ao poder do Império. O mesmo não aconteceu a tantos outros quilombos, que em função do ímpeto de seus líderes, saqueavam, matavam e estorquiam, seja por vingança ou pura resistência. Estes quilombos apresentavam ameaças aos interesses da sociedade colonial, pois cresciam em número, tamanho e força, sendo por isso combatidos até a sua dissolução.
O Negro Carukango
Nascido em Moçambique, Carukango se constituía líder político e religioso de sua tribo, e provavelmente se tornou prisioneiro em guerras inter-tribais ocorridas em seu país. Vendido para um traficante de escravos brasileiro, foi acondicionado em um tumbeiro que aportou na Ilha de Sant'Ana, em Macaé, no início do séc XIX. Macaé, através do Porto de Imbetiba, constituía um importante mercado negreiro da região, e foi lá que o fazendeiro Francisco Pinto da Freguesia de Nossa Senhora das Neves, localizada na área do atual Distrito de Córrego do Ouro, comprou o negro Carukango. Em virtude de seu passado de líder, Carukango nunca se conformou com sua condição de escravo, e trouxe muitos transtornos para o seu dono. Enquanto escravo, resistiu ao trabalho, mesmo sofrendo castigos e exerceu liderança sobre os outros escravos. Quando pode, fugiu e constituíu o seu quilombo.
O Quilombo
O Quilombo de Carukango era um desses agrupamentos que ameaçavam a ordem da Colônia. Situava-se na Serra Macaense, mais precisamente num platô localizado na Serra do Deitado, parte da atual Serra da Pedra Branca. Constituindo-se em uma das maiores comunidades quilombolas do Estado do Rio de Janeiro, o quilombo de Carukango desenvolvia diversas atividades agrícolas, além da caça e da pesca. Os quilombolas viviam sobre um único abrigo, em forma de barracão, e resistiram por quase duas décadas.Através de constantes ataques às fazendas da região, Carukango e seu grupo provocou constantes saques e fugas de escravos. Os atritos entre feitores e aquilombados cada vez mais aumentavam de intensidade, de maneira que, em certa ocasião, o grupo de Carukango atacou de maneira fatal o irmão de seu antigo dono e sua família. A partir daí, Francisco Pinto não deu trégua a Carukango, e com a ajuda do Coronel Antônio Coelho Antão de Vasconcellos, chefe do Distrito Militar da Capitania do Espirito Santo, aplicou sucessivos ataques e alcançou o quilombo. Na batalha que se sucedeu conseguiu dizimar o mesmo, matando seu líder.
As Versões da Batalha Final
A versão mais conhecida da dissolução do quilombo de Carukango conta que, ao atingir o platô onde se localizava o grande barracão em que se alojavam os quilombolas, o grupo invasor se deparou com centenas deles, de todas as idades e sexos, armados de foices, lanças e algumas armas de fogo, prontos para defenderem seu território. Diante da luta desproporcional que se iniciou, Carukango surge no meio de todos, paralisando o ataque. Usando um manto religioso e trazendo um crucifixo ao peito, ele aproxima-se dos milicianos dando a entender que iria se render, quando de repente, saca uma pistola de dois canos escondida em baixo do manto, e dispara contra o filho mais moço de Francisco Pinto, matando-o. Imediatamente Carukango é linchado pelas tropas de Francisco Pinto. Diante do líder morto, os quilombolas que não haviam sido atingidos no ataque atiraram-se dos penhascos, suicidando-se.É nesse ponto da história que surge uma nova versão, a partir de recentes descobertas por parte da equipe de historiadores da SEMAPH - Macaé. De acordo com o documento intitulado “LIVRO DE REGISTRO DE ÓBITOS DA FREGUESIA DE NOSSA SENHORA DAS NEVES E SANTA RITTA/1808-1847”, na escrita do Vigário João Bernardo da Costa Resende, o ataque ao “Quilombo do pé do Rio Macabú” ocorre no dia 1 de Abril de 1831, uma Sexta-feira Santa. Diz ainda que o Capitão do Quilombo negocia sua rendição, dizendo aos soldados e ao comandante destes que se prometessem que não os matariam ele se entregava, assim como toda a sua gente. Se ao contrário, estes não estivessem dispostos a poupá-los, então ele queria morrer em defesa deles. O Comandante deu a sua palavra, e após todos se entregarem, um soldado por nome José Nunes do Barreto lhe disparou um tiro, e quando este tombou de joelhos, outro soldado lhe atirou por trás.Após os combates, todos os guerreiros ainda vivos foram degolados, e seus corpos foram atirados nos penhascos, juntos com os corpos dos mortos e feridos. Somente as mulheres foram poupadas e devolvidas aos seus donos. O grande barraco e todas as plantações foram queimados. Quanto a Carukango, para que o seu exemplo não fosse seguido, seu corpo retalhado foi exposto nas fazendas da região, e sua cabeça foi espetada numa lança e colocada na estrada de maior movimento até a sua completa decomposição.
Herói ou vilão?
O documento encontrado pelos historiadores requer maiores estudos. Entretanto, a sua descoberta tem uma importância enorme pois, além de reparar uma injustiça a respeito de Carukango, pode representar a única prova documental conhecida de um quilombo, já que os quilombos até então eram conhecidos no Brasil através de relatos orais ou por seus remanescentes. Porém, seja qual for a versão verdadeira, ela não tira a importância que o Quilombo de Carukango tem hoje no resgate da história afro-brasileira no contexto regional e nacional.

4 de set de 2008

Cotas para Negros: Justiça Social ou Segregação?

O Brasil é um país diverso. Certamente, o mais diverso e miscigenado do mundo. Se existe uma característica notória e constitutiva da nação Brasilis é a miscigenação. Diz-se: o Brasil é formado por negros, brancos e índios. Da mistura e da interação entre estas raças surgiram: o mulato, o cafuzo e o caboclo. É, pois, que o Brasil é uma nação que possui na diversidade a sua unidade. A unidade nacional é a síntese da miscigenação que constitui a própria nação. Desse modo, o Brasil não é nem branco, nem negro nem indígena. O Brasil tem por identidade a diferença. O que identifica o povo brasileiro é justamente a diferença. Diferença esta que não diferencia, mas, pelo contrário, identifica. A unidade nacional é a identidade a partir da diferença. Somos todos brancos, negros e índios e, ao mesmo passo, não somos nenhum deles — somos todos brasileiros! A história nos conta que nossa sociedade formou-se da interação das três raças. Entretanto, cada um no seu cada qual. O cada qual de cada um, não obstante, não foi resultante da arbitrariedade dos mesmos, mas, de um — o branco. O branco foi, é e há de continuar sendo o que é, se o Brasil continuar a ser o que é e sempre foi. A ordem é branca. O progresso é somente para os brancos. De há muito, branco já não mais diz uma tonalidade de cor, mas, a um modo de ser, agir e pensar. Esse modo de pensar, agir e ser refere-se à casta dominante de nosso país. Hoje, a ideologia impregnada por esta casta condicionou e possibilitou os negros e os índios embranquecerem. Se foi ou não por persuasão, ou mesmo, por iniciativa própria, é um debate que pode nos distanciar do real problema. É preciso, darmos importância ao presente — o que não quer dizer que devemos desconsiderar o passado e a história. Muito em contrapartida a isso, o que nos propomos é pensar o presente para fazermos viger o futuro. O futuro se constrói no presente. Só há o presente. Que este é resultante do passado não temos dúvida. Dúvida, também não temos de que o passado já não mais é, apesar de resguardar-se e manter-se retraído no presente. O nosso presente denota concretamente isto que acabamos de afirmar: as cotas para os negros no ensino superior é uma seqüela da história no presente. Por cota, podemos entender quantia ou parcela de um todo. Situando no aqui tratado, este todo se refere às vagas das universidades públicas. Hoje, leis e mais leis, obrigam que os negros tenham acesso ao ensino superior por meio de cotas específicas do número total de vagas onde apenas pessoas de cor concorrem entre si. Isto é bom? Podemos achar isto racismo? Tal atitude é uma forma invertida de segregação? Todo e qualquer negro está apto a passar num vestibular? Se meditarmos seriamente, chegaremos à uma infinidades de questões. Sensatamente, procuraremos nos prender num fio condutor: a realidade do negro. Vejamos: se o Brasil é um país desigual e a desigualdade mostra-se a partir das diferenças, e estas, por meio da realidade concreta de nossa sociedade, porque os negros estão recebendo esta “benção” de nossos legisladores e da própria sociedade? Por que a cota é um dentre outros atenuadores do racismo e do preconceito de nossa sociedade embranquecida. As cotas não vão resolver os problemas dos negros. As cotas não deixam de ser uma medida válida, mas também, não tratam da questão com a dignidade e seriedade devida. — É um primeiro passo! Mas o povo, os carentes, os negros não serão atendidos pelas cotas. As cotas são benefícios — não temos dúvida. Agora, será que todos são beneficiados? Meditemos: se, para fazer o vestibular é necessário ter no mínimo o nível médio e, para passar no mesmo, é necessário estar preparado para superar a avaliação e a concorrência, quantos negros carentes chegam a concluir o nível médio e destes, quantos têm condições de “passar” no vestibular? As cotas amenizam, mas não resolvem. A sociedade brasileira precisa de ações que realmente tenham consistência social. Um “punhado” de negros carentes nas universidades não mudará muita coisa. O negro precisa de dignidade. O negro não quer ser diferenciado. O negro quer andar com as próprias pernas. Quer conquistar a partir de seus próprios passos. O negro quer oportunidade, contudo, não por ser negro, por ser de cor. O negro, o pobre, o carente querem ser. Querem ser como todos devem ser: como cidadãos. A cidadania não é expressa por cotas. As cotas não dão aos negros o direito à cidadania; é um paliativo. O negro quer escola, quer professores, quer infra-estrutura, quer a qualidade como princípio de justiça social. O negro quer ser cidadão sendo negro. O negro não quer privar-se de si mesmo para ser cidadão duma sociedade onde poucos têm o direito de assim ser. Uma vez mais frisamos: a cota é um primeiro passo, mas não é uma atitude que denota o acesso à cidadania de forma indistinta e coletiva. A cota é um paliativo, mas a verdadeira cura é a cidadania, a justiça e a igualdade social.

FONTE: http://www.faced.ufba.br/rascunho_digital/textos/279.htm
Por: Fábio Soares Gomes

Postagem em Preto e Branco


Desemprego de negros nos EUA é o dobro do de brancos

WASHINGTON, 6 jan (AFP) - O desemprego, apesar de ter caído a 4,9% da população ativa em dezembro nos Estados Unidos, atinge mais os negros do que outras etnias no país, segundo as estatísticas publicadas nesta sexta-feira pelo ministério do Trabalho.Em dezembro, a taxa de desemprego entre a população ativa branca foi de 4,3%, contra 9,3% entre a população negra e 6% para a de origem latino-americana.Entre a população de origem asiática, o desemprego ficou em 3,8% em dezembro, segundo dados não corrigidos pelas variações sazonais, segundo o ministério.A taxa de desemprego entre os jovens da faixa etária de 16 a 19 chegou a 15,2% em dezembro, em queda em relação aos 17,1% de novembro, ressaltou o ministério. Mas, entre os adolescentes negros, esta taxa foi de 24,4% em dezembro, em forte queda na comparação com novembro (38,4%).A taxa de desemprego entre jovens brancos foi de 13,4% em dezembro. Já entre jovens de origem hispânica ficou em 17,3%. Não há dados sobre este indicador para adolescentes asiáticos.Na comparação entre homens e mulheres, a taxa de desemprego para as mulheres foi ligeiramente maior em dezembro, a 4,5%, contra 4,3% para os homens, incluindo toda população ativa.

22 de ago de 2008

Vídeos

Capoeira <- CLIQUE AQUI PARA VER O VÍDEO

Influência dos Negros na Sociedade <- CLIQUE AQUI PARA VER O VÍDEO

DOCUMENTÁRIO - ''Cultura Afro-Brasileira <- CLIQUE AQUI PARA VER O VÍDEO

Racismo é Burrice <- CLIQUE AQUI PARA VER O VÍDEO

Capoeira

É uma expressão cultural que mistura luta, dança, cultura popular, música. Desenvolvida por escravos africanos trazidos ao Brasil e seus descendentes, é caracterizada por movimentos ágeis e complexos, utilizando os pés, as mãos e elementos ginástico-acrobático. Uma característica que a distingue de outras lutas é o fato de ser acompanhada por música.
A palavra capoeira tem alguns significados, um dos quais refere-se às áreas de mata rasteira do interior do
Brasil. Foi sugerido que a capoeira obtivesse o nome a partir dos locais que cercavam as grandes propriedades rurais de base escravocrata.



Sua história: Durante o século XVI, Portugal enviou escravos para a América do Sul, provenientes da África Ocidental. O Brasil foi o maior receptor da migração de escravos, com 42% de todos os escravos enviados através do Atlântico. Os seguintes povos foram os que mais frequentemente eram vendidos no Brasil: grupo sudanês, composto principalmente pelos povos Iorubá e Daomé, o grupo guineo-sudanês dos povos Malesi e Hausa, e o grupo banto (incluindo os kongos, os Kimbundos e os Kasanjes) de Angola, Congo e Moçambique.
Os negros trouxeram consigo para o
Novo Mundo as suas tradições culturais e religião. A homogeneização dos povos africanos sob a opressão da escravatura foi o catalisador da capoeira. A capoeira foi desenvolvida pelos escravos do Brasil como forma de resistir aos seus opressores, praticar em segredo a sua arte, transmitir a sua cultura e melhorar o seu moral. Há registros da prática da capoeira nos séculos XVIII e XIX nas cidades de Salvador, Rio de Janeiro, e Recife, porém durante anos a capoeira foi considerada subversiva, sua prática era proibida e duramente reprimida. Devido a essa repressão, a capoeira praticamente se extinguiu no Rio de Janeiro, onde os grupos de capoeiristas eram conhecidos como maltas, e em Recife, onde segundo alguns a capoeira deu origem à dança do frevo, conhecida como o passo.
Em 1932, Mestre Bimba fundou a primeira academia de capoeira do Brasil em Salvador. Mestre Bimba acrescentou movimentos de artes marciais e desenvolveu um treinamento sistemático para a capoeira, estilo que passou a ser conhecido como Regional. Em contraponto, Mestre Pastinha pregava a tradição da capoeira com um jogo matreiro, de disfarce e ludibriação, estilo que passou a ser conhecido como Angola. Da dedicação desses dois grandes mestres, a capoeira deixou de ser marginalizada, e se espalhou da Bahia para todos os estados brasileiros.

21 de ago de 2008

Poema: Sou preto - Autor: Desconhecido

Quando eu nasci, eu era preto
Quando cresci, era preto
Quando pego sol, fico preto
Quando sinto frio, continuo preto
Quando estou assustado, também fico preto
Quando estou doente, preto
E quando eu morrer, continuarei preto!
E você cara branco,

Quando nasce, você é rosa
Quando cresce você é branco
Quando pega sol, você fica vermelho
Quando sente frio, fica roxo
Quando você se assusta, fica amarelo
Quando está doente, fica verde
E quando você morrer, ficará cinzento…”

E você ainda assim, vem me chamar de homem de cor?!

15 de ago de 2008

CALENDÁRIO NEGRO

JANEIRO

01 - Dia Mundial da Paz01 - Independência do Haiti /180402 - Fundação da Irmandade do Rosário dos Homens Pretos, em São Paulo, SP /177103 - Fundação da União dos Homens de Cor de Porto Alegre, RS / 194306 - Circula pela primeira vez o jornal O Clarim da Alvorada, organizado por José Correia Leite e Jayme de Aguiar/ 192406 - Nascimento de Juliano Moreira, médico psiquiatra considerado pai da psiquiatria brasileira, em Salvador, BA / 187308 - Fundado o Congresso Nacional Africano - CNA - África do Sul /191315 - Nasce Martin Luther King Jr. / 192915 - O governo baiano suprime a exigência de registro especial para templos de ritos afro-brasileiros20 - Assassinado pela polícia portuguesa Amílcar Cabral, poeta revolucionário, lutador pela liberdade da Guiné e Cabo Verde 24 - Revolta dos Malês, na Bahia /1835 26 - Nasce Ângela Davis, EUA29 - Morre José do Patrocínio, o "Tigre da Abolição" , jornalista negro e ativista da causa abolicionista31 - Nascimento, em 1582, de Nzinga, rainha de Angola de 1633 a 1663

FEVEREIRO

01 - Nascimento, em Minas Gerais, da antropóloga e filósofa Lélia Gonzalez, intelectual e militante / 193502 - Dia de Iemanjá06 - Nasce o cantor e compositor Bob Marley / 194507 - Nascimento de Clementina de Jesus da Silva, Valença/RJ /190209 - Nasce a escritora Alice Walker, na Geórgia, EUA / 194411 - Libertado Nelson Mandela, depois de 27 anos de prisão, na África do Sul /199012 - Nascimento de Arlindo Veiga dos Santos, acadêmico e primeiro Presidente da Frente Negra Brasileira (ver 16/9) / 190212 - Admitido o primeiro universitário negro na Universidade de Alabama - EUA /195613 - Assassinato de Patrice Lumumba - Congo /196114 - Morre a escritora Carolina Maria de Jesus, autora, dentre outros livros, de Quarto de Despejo18 - Morre o poeta, compositor, ator e teatrólogo Solano Trindade / 197419 - W.E.B. Dubois organiza o Primeiro Congresso Pan-africano em Paris / 191919 - Carter G. Woodson cria, nos EUA, a "Negro History Week", atualmente o "Black History Month" (Mês da História Negra) / 192621 - Morre assassinado Malcom X / 196523 - Nasce William Edward Burghardt Dubois, doutor em Filosofia e pai do pan-africanismo contemporâneo26 - As potências européias repartem o continente africano /188528 - Criação do Quilombhoje Literatura / 1980


MARÇO

02 - Ocorre o primeiro carnaval de escolas de samba do Rio de Janeiro, RJ / 193504 - Morreu o poeta Lino Guedes, em São Paulo, SP / 195106 - Gana é o primeiro país da África Negra a tornar-se independente/195706 - Abolição da escravatura no Equador / 185407 - Grande Marcha pelos direitos civis, de Selma à Montgomery, liderada por Martin Luther King, Jr. / 196308 - Dia Internacional da Mulher14 - Nasce Abdias do Nascimento, ex-senador, criador do teatro Experimental do Negro191414 - Morte do franciscano negro Santo Antonio de Categeró / 154921 - Dia Internacional pela Eliminação da Discriminação Racial, em memória das vítimas do massacre de Shapeville, na África do Sul / 196021 - Zumbi dos Palmares é incluído na galeria dos heróis nacionais / 199721 - Independência da Etiópia / 197521 - Independência da Namíbia / 199022 - Abolição da escravatura em Porto Rico / 187325 - Nasce Aristides Barbosa, jornalista, educador e ex-militante da Frente Negra 192030 - Os homens afro-americanos conquistam direito de voto nos EUA / 1870


ABRIL

01 - Primeiro Festival Mundial de Arte Negra, Dakar, Senegal / 196601 - Criação do Partido dos Panteras Negras, EUA / 196704 - Assassinato de Martin Luther King Jr., Memphis, EUA /196804 - Criação do bloco afro Agbara Dudu, Rio de Janeiro, RJ / 198204 - Independência do Senegal / 196005 - Nasce o grande capoeirista Vicente Ferreira Pastinha, "Mestre Pastinha" / 188805 - Nasce o compositor Joaquim Maria dos Santos, Donga, autor de Pelo Telefone, primeiro samba gravado07 - Dia da Mulher Moçambicana 12 - Nasce Esmeraldo Tarquínio, deputado estadual e prefeito de Santos / 192715 - Nasce o compositor do Hino à Bandeira, o negro Antônio Francisco Braga / 186819 - Independência de Serra Leoa / 196119 - Dia do Índio23 - Nascimento de Pixinguinha, músico / 189825 - O Bloco Afro Olodum é criado em Salvador, BA /197926 - Nasce Benedita da Silva, primeira mulher negra a ocupar o cargo de governadora 194226 - Iniciam-se as primeiras eleições multirraciais na África do Sul / 199427 - Independência do Togo

MAIO

01 - Dia Mundial do Trabalhador03 - Nascimento do geógrafo Milton Santos, que revolucionou a Geografia, dando-lhe um enfoque humanista13 - Dia Nacional de Denúncia contra o Racismo13 - Nascimento do escritor pré-modernista Lima Barreto / 188113 - Dia dos Pretos Velhos13 - Abolição da escravatura no Brasil / 1888 18 - Criação do Conselho Nacional de Mulheres Negras, no Rio de Janeiro / 195023 - Nascimento do poeta Carlos de Assumpção, autor do célebre poema Protesto25 - Criação da Organização da Unidade Africana - OUA / 196325 - Dia da Libertação da África, promovido pela ONU / 1972

JUNHO

05 - Dia de Solidariedade ao Povo Moçambicano06 - Morre o jamaicano Marcus Garvey, mentor do Pan-africanismo / 194021 - Nascimento de Luís Gama - jornalista, poeta e um dos gigantes da causa abolicionista /183021 - Nascimento de Machado de Assis / 183924 - Nascimento de João Cândido, o "Almirante Negro", líder da Revolta da Chibata25 - Independência de Moçambique, África / 197526 - Independência da Somália / 196030 - Independência do Zaire, África/ 1960

JULHO

01 - Independência de Ruanda, África / 196001 - Independência de Burundi, África / 196202 - Nascimento de Franz Fanon, médico psiquiatra e revolucionário / 192102 - Nascimento de Patrice Lumumba / 192503 - Aprovada a Lei Afonso Arinos, que coloca a discriminação racial como contravenção penal 195103 - Independência da Argélia, África / 196205 - Independência de Cabo Verde / 197507 - Leitura, em frente ao Teatro Municipal, de carta aberta à nação contra o racismo, inaugurando o Movimento Negro Unificado Contra a Discriminação Racial (depois MNU) / 197808 - Fundação do Instituto de Pesquisas da Cultura Negra (IPCN), Rio de Janeiro / 197512 - Independência de São Tomé e Príncipe / 197515 - Ocorre a primeira Conferência sobre a Mulher Negra nas Américas, Equador / 198417 - O ator Grande Otelo recebe o título de Cidadão Paulistano / 197818 - Nascimento do líder sul-africano Nelson Mandela / 191824 - Nascimento do poeta Solano Trindade, em Pernambuco / 190825 - Dia da Mulher Afro-latino-americana e Caribenha 26 - Independência da Libéria, África/ 1846

AGOSTO

01 - Independência do Benin, África/ 197503 - Independência do Níger, África / 196007 - Independência da Jamaica / 196207 - Independência da Costa do Marfim / 196008 - Em Lagos (atual Nigéria) é registrado o primeiro ato de escravidão, por Portugal / 144410 - Morre o padre Batista, um dos fundadores do Instituto do Negro e dos Agentes de Pastoral Negros / 199112 - É publicado o manifesto dos conjurados baianos da Revolta dos Alfaiates, protestando contra os impostos, a escravidão dos negros e exigindo independência e liberdade / 179814 - Morre a Ialorixá Mãe Menininha do Gantois / 198615 - Independência do Congo, África / 196017 - Nascimento do pan-africanista Marcus Garvey / 188719 - Independência do Gabão / 196023 - Nascimento de José Correia Leite, fundador do jornal O Clarim da Alvorada / 190024 - Primeiro Congresso de Cultura Negra das Américas, na Colômbia / 197724 - Morte do abolicionista Luís Gama / 188228 - Primeira Marcha de Negros sobre Washington, em favor dos direitos civis, EUA / 196329 - Nascimento de Antonio Francisco Lisboa, o Aleijadinho, escultor, entalhador e arquiteto

SETEMBRO

04 - Promulgação da lei Euzébio de Queiroz, extinguindo o tráfico de escravos no Brasil / 185007 - Criação do Grupo União e Consciência Negra do Brasil / 198110 - Morte do líder angolano Agostinho Neto / 197911 - Independência do Senegal, África / 196014 - É fundado o jornal O Homem de Cor, o primeiro da imprensa negra brasileira / 183316 - Fundação da Frente Negra Brasileira, maior entidade da primeira metade do século, primeiro partido político de afro-descendentes/ 193118 - Circula o primeiro número do jornal A Voz da Raça, jornal da Frente Negra / 193318 - Decreto do Presidente Getúlio Vargas diz que o Brasil precisa desenvolver, em relação à imigração, "as características mais convenientes de sua ascendência européia" 21 - Independência do Mali / 196022 - Libertação jurídica dos escravos nos EUA / 186222 - Independência do Mali, África / 196024 - Independência da Guiné-Bissau, África / 197327 - Dia dos Idosos28 - Aprovada a Lei do Ventre Livre / 187128 - Assinada a Lei do Sexagenário / 1885

OUTUBRO

01 - Independência da Nigéria, África / 196001 - Fundação, na PUC, do Núcleo de Estudos Afro-Brasileiros - NEAFRO02 - Independência da Guiné, África / 195807 - Dia de Nossa Senhora do Rosário, patrona dos negros09 - Nascimento, em São Paulo, do poeta, ensaísta e crítico Mário de Andrade, de ascendência afro nem sempre lembrada / 189310 - Morre Francisco Lucrécio, Secretário da Frente Negra Brasileira, em São Paulo / 200111 - Nascimento do compositor e cantor Agenor de Oliveira, o Cartola / 1908 12 - Começa a devoção a Nossa Senhora Aparecida, quilombola negra, padroeira do Brasil, a partir de 171713 - É fundado o Teatro Experimental do Negro no Rio de Janeiro / 194414 - Martin Luther King Jr. recebe o Prêmio Nobel da Paz / 196416 - O arcebispo Desmond Tutu recebe o Prêmio Nobel da Paz / 198416 - Wole Soyinka torna-se o primeiro africano a receber o Prêmio Nobel de Literatura / 198624 - Nascimento de Esmeralda Ribeiro, poeta e uma das coordenadoras do Quilombhoje / 195824 - Nascimento do poeta e jornalista Oswaldo de Camargo, co fundador do Quilombhoje 193626 - Dia Nacional da Juventude31 - Nascimento de Luiz Silva - Cuti, poeta, dramaturgo e co-fundador do Quilombhoje / 1951

NOVEMBRO

01 - É criado o Bloco Afro Ilê Ayiê, Salvador, BA/ 197401 - Morte do escritor Lima Barreto / 192204 - O MNU declara o 20 de novembro Dia Nacional da Consciência Negra / 197810 - O governo Médici proíbe em toda a imprensa notícias sobre índios, esquadrão da morte, guerrilha, movimento negro e discriminação racial / 196911 - Independência de Angola / 1975 11 - Independência do Zimbabwe /198019 - Nascimento de Paulo Lauro - primeiro prefeito negro de São Paulo, SP / 190719 - Publicação de despacho de Rui Barbosa ordenando a queima de livros e documentos referentes à escravidão negra no Brasil19 - Lançamento do primeiro volume de Cadernos Negros /197820 - Morte de Zumbi, líder do quilombo dos Palmares /169520 - Dia Nacional da Consciência Negra20 - O grupo gaúcho Palmares declara o 20 como Dia do Negro / 197524 - Nasce em Santa Catarina Cruz e Souza, o poeta mor do simbolista brasileiro 1861

DEZEMBRO

02 - Dia Nacional do Samba02 - Nascimento de mestre Didi, em Salvador, BA02 - Nascimento de Francisco de Paula Brito, primeiro editor brasileiro, em Magé, RJ / 180905 - A Constituição proíbe negros e leprosos de freqüentar escolas no Brasil / 182408 - Dia de Oxum10 - Comemoração da Declaração Universal dos Direitos Humanos12 - Independência do Quênia / 196320 - A lei 7437 condena o tratamento discriminatório no mercado de trabalho, por motivo de raça ou de cor29 - Nascimento, no Senegal, do Cheik Anta Diop, autor de um trabalho de revisão da história africana
fonte: sítio eletrônico Quilombhoje
Fontes: Agenda Afro-Brasileira 1997. Org.: Acácio S. Almeida / Lucilene Reginaldo- Calendário Beleza Negra. Org.: Greni. Grupo de reflexão sobre a vida religiosa, negra e indígena / CRB. Rio de Janeiro: Vozes 1998- Memória Afro-brasileira. Calendário 2002 do Conselho de Part. e Des. da Com. Negra de S. Paulo.